sábado, 18 de julho de 2009

Bastidores da Inveja!

O primeiro passo para a resolução de qualquer sentimento negativo é a compreensão dele. Para entendermos a inveja, temos de descobrir a estrutura básica que a antecede. O mecanismo responsável pela inveja é a comparação.
A inveja é a vivência de um sentimento interior sob a forma de frustração, de tristeza, de mal-estar, de acanhamento, por sentirmos menores do que alguém, por sentirmos menos do que o outro, por não possuirmos o que o outro possui, por não sermos o que o outro é.
É o desequilíbrio íntimo, oriundo de um sentimento de inferioridade, fruto da comparação que fazemos entre nós e o outro em algum aspecto específico: ou nas posses materiais, na casa, no carro, na roupa, no dinheiro ou nas qualidades psicológicas, morais, físicas, sociais ou espirituais. E como a inveja é um desequilíbrio entre nós e os outros num processo comparativo, desde cedo nos foram ensinados alguns mecanismos de defesa para este desequilíbrio. Um dos mecanismos mais comuns é aquele em que, ao sentirmos menores do que os outros, nos aumentamos, nos vangloriamos, nos enaltecemos para evitar o mal-estar do desequilíbrio.
Falamos excessivamente bem das nossas próprias coisas e, ao mesmo tempo, procuramos diminuir o outro através de críticas. E quando não há adjetivos a exceder, inventamos situações, coisas e valores, na intenção de possui algo com que se orgulhar, mesmo que de forma fantasiosa ou imaginária.
Quantas vezes você mostrou seu presente de Natal àquele seu amigo de menos posses?
Quando criticamos alguém, quando diminuímos alguém, quando ofendemos alguém, quando temos necessidade de falar mal de alguém, provavelmente estamos nos sentindo inferiores a ele. A inveja é a incapacidade de ver a luz das outras pessoas, a alegria, o brilho, a luminosidade de alguém, seja em que aspecto for.
A inveja é o sentimento daqueles que não encontraram respostas para a diversidade do mundo e das pessoas, e essa incapacidade de aceitar que as coisas e as pessoas sejam diferentes é uma rejeição de seu próprio Ego como sendo diferente das demais.
A inveja é a auto-aversão por não sermos como os outros são. O que há de negativo na inveja é esta auto-rejeição em algum aspecto. Por outro lado, nossa sociedade é baseada na comparação e nossa cultura é uma cultura de comparação. Como tudo é relativo, como tudo está em relação, perdemos a capacidade de ver as coisas em si mesmas e só conseguimos entender as pessoas e as coisas em comparação umas com as outras.
E como administrar o sentimento da inveja?
Se a inveja é fruto da comparação, é nesse ponto que devemos centrar nossa atenção.
Um exercício prático é o desenvolvimento sistemático da autocomparação, a comparação conosco. Sabemos sempre muito bem quanto ganham os nossos vizinhos, os nossos amigos, os nossos parentes, mas jamais fizemos uma análise do índice do nosso crescimento nos últimos anos. Estamos hoje piores ou melhores do que éramos ontem? Em termos sociais, psicológicos, financeiros, espirituais, estamos melhores ou piores do que estávamos há algum tempo? Há uma grande diferença entre a comparação com os outros e a comparação com nós mesmos. Na autocomparação, fortalecemos o nosso eu, o nosso centro, o nosso ponto de equilíbrio. Passamos a nos dirigir de dentro, em função do que realmente somos e não em função do que os outros esperam de nós.
Não se resolve a inveja, o ressentimento, torcendo pela queda do outro porque negar as próprias limitações com as limitações dos outros não dá vida a ninguém.
A autocomparação leva-nos a um fortalecimento interior. Fortalecemos a nossa identidade, reencontramos a nós mesmos, passamos a ser o nosso próprio ponto de apoio. Cada pessoa tem o seu ritmo, o seu jeito, o seu caminho, o seu próprio nível intelectual, espiritual e grau de evolução. Não estamos no mundo para sermos mais do que alguém, mas apenas para lapidar o nosso próprio potencial e talento, para sermos cada vez melhores e nos aproximarmos cada vez mais da Providência.
Nos bastidores de cada sentimento de inveja existe um sentimento de admiração, mas esse só pode desabrochar quando estamos muito centrados no nosso próprio tamanho.
O invejoso quando vê alguém a quem deveria admirar, tende a diminuir essa pessoa!
Só quando formos padrão de nós mesmos, reencontraremos a alegria de ser o que somos, de ter o que temos, de viver como vivemos. Somente o exercício da autocomparação nos levará à auto-aceitação, à realização do nosso próprio potencial.
Neste artigo cabe uma pequena parábola:

..."Há alguns séculos atrás, um mestre idoso e coberto
de honrarias estava à morte... Seus discípulos indagaram:
--- Mestre, estás com medo de morrer?
--- SIM! Estou com medo de me encontrar com o Criador!
--- Mas, como? Você teve uma vida exemplar. Assim como Moisés,
tirou-nos das trevas da ignorância! - perguntou um discípulo.
--- Você fez julgamentos justos como Salomão! - disse outro discípulo.
--- Sua paixão, coragem, liberdade, sacrifício, determinação e luta
compara-se a Leônidas! - lembra outro discípulo.
--- Mestre, sua conquista de novas terras, seu carisma, honra, sua liderança e sua visão de futuro moldaram o mundo como o conhecemos, e tais feitos só são semelhantemente encontrados nas desbravaturas de Alexandre, o Grande! - enaltece outro discípulo.
O Mestre, interrompendo as explanações e ELOGIOS de seus discípulos, responde:
--- Quando eu me encontrar com Deus, Ele não vai
me perguntar se eu fui Moisés, Salomão, Leônidas
ou até mesmo Alexandre, o Grande... - ilustra o Mestre!
--- Ele apenas vai me perguntar se eu fui eu mesmo!"...

A inveja e a cobiça andam de mãos dadas,
mas a verdadeira riqueza está na plenitude
de sua individualidade e essência... Seja VOCÊ!
NAMASTE!
28.05.2009 11:44

4 C O M E N T Á R I O (S)

Déia disse...

Se a inveja servisse para nos impulsionar para alcançarmos o desejado, seria ótimo...

Mas ela vem recheada de maldade, de falta de vontade própria e desejo de destruição alheia! e isso é péssimo

bj

Anônimo disse...

É interessante visualizar a inveja
como uma admiração mascarada.
Muito bem colocadas suas palavras!
Parabéns por sua sensibilidade!
MIRTES

Silvana Nunes .'. disse...

Maravilha o seu cantinho.
Na intenção de divulgar o meu trabalho, cheguei até você.
Gostei muito do seu espaço. Eu não estou podendo ler tudo de uma vez porque a tela do computador atrapalha um pouco a minha visão, mas certamente voltarei mais vezes. O meu oftamologista pediu que desse um tempo da telinha... e eu sou fraca ?
O meu território já está demarcado.
Convido a dar uma espiada em "FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER.." ( o seu cantinho de leitura), em:
http://www.silnunesprof.blogspot.com
Terei sempre uma história para contar.
Saudações Florestais !

Tamara disse...

A linha entre a admiração mascarada, entre a inveja que nos impulsiona para o melhor e a que nos faz sentir o pior é tênue... Tomara todos tenhamos a sabedoria de discernir as duas coisas, e optar por aquela que não nos faz pior do que verdadeiramente somos. Afinal, somos antes de tudo humanos e os sentimentos melhores e piores estão em nós.
Amo seus textos. Amo o seu melhor e o seu pior, rsrsrs
bjus

Postar um comentário