quinta-feira, 3 de julho de 2008

Equilíbrio!

O ser humano costuma
ser advogado de si e juiz dos outros!
Ele dá desculpas e justificativas
por suas falhas, mas acusa
seu semelhante pelos erros cometidos...
Aliás, para ele, todo passo alheio
é passível de correção!

O ser humano é capaz de julgar seu semelhante como se estivesse ao alto de um púlpito sagrado, mas "os fins justificam os meios!"... Ele é capaz de apontar o dedo, julgar, ofender, ferir e humilhar o menor e o menos favorecido, mas não reconhece seu próprio erro de estratégia e/ou planejamento...

Ele produz, mas sempre melhor do que o outro...
Estende a mão esperando gratidão e dívida moral...
Ele conduz a própria caminhada (e a alheia...) com infinita precisão...
Falhas? Operacionais... O ser humano não erra... É vítima de pseudo desvio de trajetória...

O ser humano NÃO ERRAAAAA!

BASTAAA!
Basta de hipocrisia e falso moralismo medíocre...

Basta de peças teatrais mal dirigidas...
Basta de atores de quinta interpretando Pilatos...
Basta de falsas caridades... Paliativos eleitoreiros...

O ser humano precisa julgar a si próprio!
É necessário que os olhos se voltem ao próprio umbigo...
Ainda que os pesos sejam equivalentes nos dois pratos, a qualidade da balança depende do rigor de ser fiel...
De nada adianta manter um suposto equilíbrio, se os pratos da balança foram construídos com matéria-prima de qualidade distinta e duvidosa!

Se me torno um observador inerte e isento, estarei apoiado no ponto de equilíbrio:
Nem muito envolvido nem distante demais!...
Me mantenho coadjuvante, como os laicos anseiam!

No momento que o ser humano toma em punho a nau alheia, ele se dá o supremo arbítrio de apontar um falso Norte, para que a busca seja exaustiva e quase enlouquecedora,
enquanto que, a passos sutis e ingênuos, trilha sua caminhada, desfilando seu,
cito novamente, falso moralismo medíocre!

Aos Antagonistas resta-lhes o canto da parede,
à serem esmagados como aqueles tais seres
que suportam um ataque nuclear!
Aos Questionadores são reservadas
humilhações e ofensas em praça pública!
Aos Coadjuvantes, Inertes e Isentos?...
Assistem um deprimente reinado!

Nesse ponto de um filosófico e metafórico desabafo (mas com algoz certo!),
as intenções subliminares são percebidas e subjetivas também serão as reações...

No epílogo de meu devaneio minhas conclusões e decisões são claras:

Cada um que assuma total responsabilidade
pela própria vida e tenha o comprometimento
de levá-la adiante... A vida alheia é problema alheio!
NAMASTE!

2 C O M E N T Á R I O (S)

disse...

Oi....
Em meio a tantos acontecimentos acabamos por apontar os erros dos outros, e só vemos o erros alheios. Sendo que erramos mais ainda em apontar .... do que em nos analisar. O mundo nos impulsiona a tantos erros que às vezes perdemos a rédea das coisas.
Como todo o ser humano erro...mas aprendo com meus próprios erros.
Bjs.... Adorei seus pensamentos, e se lendo-os estou conhecendo mais sobre vc...o farei sempre que possível....
Bjs Fá

Anônimo disse...

" E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu o irmão, e não vês a trave que está no teu olho?"

"Os fracos não resistem ao ímpeto de criticar, mas os fortes compreendem e amam."

Bjs

Deyse Cristina

Postar um comentário